Apocalipse. Homem invade cemitério, destrói túmulo e pratica sexo com cadáver de idosa - Colatina News

Recentes

google.com, pub-2151647549971277, DIRECT, f08c47fec0942fa0

11/04/2021

Apocalipse. Homem invade cemitério, destrói túmulo e pratica sexo com cadáver de idosa

O necrófilo invadiu o cemitério e profanou o corpo de uma idosa

A polícia está no encalço de um indivíduo ainda não identificado, que na madrugada de sábado, 10, invadiu o Cemitério Municipal de Boqueirão, em Curitiba/PR, arrombou o túmulo e profanou o corpo de uma idosa que ali estava sepultado. A atitude do necrófilo chocou a população, que clama por justiça.

 

Policiais tomaram conhecimento do crime pela manhã e estiveram no local, mas não encontraram pistas do criminoso, que já havia se evadido do local. O coveiro narrou aos policiais, que ao chegar para o trabalho havia encontrado o túmulo violado e o corpo revirado. O IML (Instituto Médico Legal) também foi acionado.

 

As informações são de que o indivíduo invadiu o cemitério, arrombou a sepultura, retirou o corpo de uma idosa do local e manteve com ela relações sexuais. O uso sexual do corpo sem vida foi constatado pelos peritos que foram até o cemitério no começo da tarde do mesmo dia. O necrófilo continua foragido;

 

Necrófilos continuam existindo e estão se organizando

 

Segundo o psiquiatra forense Guido Palomba, a necrofilia era mais presente na antiguidade, mas ainda hoje essa anomalia é registrada. “Essa é uma das formas mais monstruosas de degeneração do instituto sexual. Para alguém chegar a este extremo de ter sexo com um morto, é preciso passar por tantos obstáculos, que só uma gravíssima doença mental pode explicar”, salientou o psiquiatra.

 

Ainda segundo o psiquiatra Guido Palomba, ao contrário dos pedófilos, que em sua grande maioria apresentam episódios de abuso na infância, os necrófilos não exibem esse histórico de vida características em comum, que pudessem ser interpretados como um indicativo de causa da doença na idade adulta.

 

Para o psiquiatra Aderbal Vieira Júnior, do ambulatório do tratamento de dependências de comportamento do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes), da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a necrofilia é um interesse sexual antinatural. Ele acrescenta que isso comprova que necrófilos continuam existindo na atualidade, e que estão se organizando.

 

Siga-nos no Instagram: @colatinanews, e curta nossa página no Facebook!

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário