Jovem de 19 anos é morta a tiro de calibre 12 após Guarda Municipal invadir festa funk - Colatina News

Recentes

03/08/2020

Jovem de 19 anos é morta a tiro de calibre 12 após Guarda Municipal invadir festa funk

Gabrielle chegou a ser socorrida, mas não resistiu

Uma ação desastrosa da Guarda Civil Municipal de Rio Claro/SP culminou com a morte da jovem Gabrielle Mendes da Silva, 19 anos e ferimento grave em José Felipe de Lima Werneck, 29 anos. Os guardas se dirigiram ao local após receberem denúncia de que lá estava acontecendo um animado baile funk.

O fato aconteceu na madrugada de domingo, 02, e o autor do disparo, cujo nome não foi divulgado por causa da interpretação ridícula dada à Lei de Abuso de Autoridade por parte da polícia, alegou que foi acidente e foi preso e autuado em flagrante por prática de homicídio culposo, ou seja, sem intenção de matar.

As informações dão conta de que a Guarda Municipal recebeu denúncia de moradores sobre a realização de uma festa funk com aglomeração no Jardim Panorama, em plena pandemia do Coronavírus. Como festas de bailes estão proibidos na cidade, que está na fase laranja, os guardas foram para o local.

Quando as viaturas chegaram ao local, os guardas constataram grande aglomeração e tentaram dispersar os jovens. Houve reação por parte dos presentes, e de acordo com a polícia, o guarda achou que a arma estava descarregada e tentou colocar balas de borracha, quando houve o disparo.


Os jovens atingidos pelos disparos foram socorridos ao hospital mais próximo, mas Gabrielle, em decorrência da gravidade do ferimento, não resistiu e morreu. O rapaz, que levou um tiro na perna, ficou internado em observação. O guarda criminoso foi levado para a delegacia e liberado após pagar fiança de R$ 5 mil.

A arma calibre 12 do guarda foi apreendida para perícia e ele foi afastado de suas funções operacionais até que a Polícia Civil conclua o inquérito e a justiça se manifeste sobre o caso. Foi também instaurado um inquérito administrativo para apurar a conduta técnica do guarda durante a operação desastrada.

Uma testemunha que pediu para não ser identificada disse que os guardas chegaram agindo com arbitrariedade e abuso de poder, agredindo todo mundo em total desrespeito às pessoas presentes. “Os disparos foram feitos intencionalmente e esse bandido precisa ser penalizado”, disse a testemunha.

Acrescenta o cidadão, que a desculpa do guarda de que estava tentando municiar a arma e não sabia que ela estava carregada é muito furada. “Como é que uma pessoa está com uma arma e não sabe se ela está ou não carregada? Será que a justiça vai acreditar numa palhaçada dessas?” Finaliza revoltado.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba nossas noticias!